Projeção do Filme Loba

Esta segunda-feira, 10 de Outubro, entre as 76340_310x45921h – 23h30, projeção do filme LOBA (sujeito a inscrição para nascimentoconsciente@gmail.com e por donativo para pessoas que não se tenham inscrito no curso) e apresentação do curso de Hipnonascimento
Trailer do filme: https://vimeo.com/98751317
História do filme: http://lobafilm.com/la-pelicula/
Sinopse: Catherine Bechard, uma osteopata francesa, dá voz às mulheres no que o parto representou para elas: quais as suas expectativas, como o viveram e como se sentem no pós-parto. Este filme propõe uma viagem por Espanha, França, Mexico e Cuba numa descoberta de como é o atendimento às mulheres durante o nascimento. Visita-se a medicalização do nascimento assim como se descobre a actuação de parteiras tradicionais e como co-existem estes dois mundos.

Anúncios

Doula – Aquela que serve

Liberdade para Nascer

Dia 20 de Setembro, às 21h30, no Porto. A não perder!

LIBERDADE PARA NASCER (Freedom for Birth), Toni Harman, 2012, 60′

Um documentário de Alto Films para One World Birth
em inglês, com legendas em português
Este filme incita a uma profunda reflexão e reforma dos sistemas de maternidade no mundo, por forma a que sejam garantidos os direitos humanos mais fundamentais, que são o acesso à informação e à liberdade de escolha.
Retrata a história da obstetra/parteira húngara Ágnes Geréb, que é presa por ajudar mulheres a dar à luz onde estas se sentem mais seguras e confortáveis, e de Anna Ternovsky, uma mãe que leva o estado húngaro ao tribunal europeu dos direitos humanos e ganha um caso histórico que poderá ter mudado o mundo!
No documentário são entrevistados mais de 40 dos principais especialistas mundiais na área da obstetricia, entre eles: Ina May Gaskin, Sheila Kitzinger, Sarah Buckley, Mickey Mongan, Robbie Davis-Floyd e Michel Odent.
Seguir-se-á um debate com obstetras, parteiras, doulas, mães, pais para reflectir sobre a realidade portuguesa relativamente aos direitos humanos e o nascimento.
“Liberdade para Nascer” é mais do que um filme. Marca o início de um movimento que focará a sua atenção na violação dos direitos das mulheres durante o nascimento em todo o mundo. Às mulheres tem sido negado o mais básico direito humano de autonomia sobre os seus proprios corpos. Não podem escolher onde e como querem que seja o nascimento dos seus filhos. A muitas tem sido negado o desejo de um parto normal fisiológico, quer seja por coerção, falta de informação ou ameaças de verem os seus filhos levados pela protecção de menores. Em muitos paises, se a mulher quer um parto em casa assistido por uma parteira, essas parteiras podem ser perseguidas criminalmente. Este filme clama por uma reforma urgente nos sistemas de saúde maternos mundiais por forma a que a violação dos Direitos Humanos pare e que a mulher possa ter uma escolha informada e real sobre como e onde dar à luz. Este filme terá uma estreia mundial estando previstas 1000 projecções em mais de 50 países no dia 20 de Setembro.
“Na minha visão de um melhor caminho para o nascimento, as mulheres grávidas sem complicações sérias – 80 a 90 por cento das grávidas – poderiam escolher entre dar à luz num centro de nascimento fora do hospital ou em casa. Para estas mulheres de baixo risco dar à luz num hospital não seria opção pois representa um exaurir desnecessário da economia e, mais importante, porque essa opção representa um sério risco para a mulher e para o bebé.” Marsden Wagner, cientista, antigo Director da Saude das Mulheres e Crianças na Organização Mundial de Saúde

Bilhetes: 3,5 euros

Cinema Passos Manuel
Rua de Passos Manuel nº 137 (ao Coliseu), Porto
222 058 351

Mais informação: limarta@gmail.com (Marta Lima, Humpar – Associação Portuguesa pela Humanização do Parto)

Site oficial do filme: http://www.freedomforbirth.
Também em:
Coimbra, às 19h, no Bem-me-Quero
https://www.facebook.com/events/119130028229842
Funchal, 20h30, Espaço 116
https://www.facebook.com/events/394981803882290

Birth as we know it (O nascimento como nós o conhecemos), 2006

Este filme é um documentário impressionante sobre a procriação consciente.

Trailer: http://www.birthasweknowit.com/trailer.html


O filme mostra 11 partos incrivelmente maravilhosos: em casa, no Mar Negro, parto pélvico e parto de gémeos na água em casa. Inclui também entrevistas em que vários tópicos são abordados: registo límbico, sexualidade no parto, cesareana, circumcisão, Lotus birth (não há corte do cordão umbilical; o bebé fica ligado à placenta até o cordão se soltar naturalmente do seu umbigo), educação para um parto consciente, e muito mais! Com uma cinematografia belissima e um soundtrack arrebatador, estes 74 minutos de filme apresentam ao espectador uma rara oportunidade de testemunhar a verdadeira natureza do nascimento e o potencial da mulher para acompanhar o seu bebe no processo de nascimento de forma graciosa e destemida.A criadora e produtora do filme, Elena Tonetti-Vladimirova, foi uma das pioneiras do Movimento pelo Nascimento Consciente na Russia, desde 1982, quando pela primeira vez reconheceu a necessidade de transformar as práticas de nascimento. Nas palavras da Elena, “A qualidade do nosso período formativo define a qualidade da nossa vida”, “O processo de nascimento afecta a nossa capacidade para amar, experienciar felicidade e intimidade, assim como se o viver num corpo é vivenciado como seguro e prazeroso ou doloroso e solitário.” A Elena trouxe a sua sabedoria sobre como evitar complicações no parto através de um programa de educação efectivo que é mostrado no filme. “O nascimento é o último acorde nesta fascinante viagem de auto-descoberta. Quando toda a preparação foi realizada, o nascimento do bebé desenrola-se em toda a sua magnificiência.” Através dos seus workshops Birth Into being a Elena ajuda os participantes a libertarem-se do seu próprio trauma de nascimento e crenças limitadoras e convida-os a experienciar o poder profundo do Nascimento (Birthing Field).Já em 57 países, este filme tem recebido reconhecimento global como um dos mais detalhados guias no mundo para o Nascimento Consciente.

O filme recebeu uma demorada ovação de pé na Conferência dos Direitos Humanos em Seattle, WA em Agosto de 2006. Está já na sua 6ª edição, sem publicidade ou marketing, apenas pelo passa palavra. Traduzido em 12 línguas por voluntários locais inspira um verdadeiro movimento popular por todo o mundo!

Em 2008 foi incluido no curriculo obrigatorio de todas as escolas médicas e universidade no Irão (o Comité Educativo do Irão permite apenas 5 filmes estrangeiros nas suas escolas!). Em 2009 foi ratificada uma lei que estabelecia como meta uma redução das cesareanas de 40% para 12% até ao ano de 2012.