Entrevista para as Mães D’Água

© Hugo Lima | www.hugolima.com | www.facebook.com/hugolimaphotography

Foto: Hugo Lima_www.hugolima.com _ www.facebook.com/hugolimaphotography

As Mães D’Água são um movimento cívico movido pela paixão pelo parto na água. O grupo foi criado em Junho de 2014 e trabalha desde então em três missões: inspirar e empoderar a mulher; promover o parto natural/na água; criar mudança efectiva no SNS português trazendo de volta o parto na água aos hospitais públicos.

Juntei-me como colaboradora a este movimento quase desde o início da sua formação, na altura em que se ameaçava o término do parto na água no Hospital de Setúbal. Nesta entrevista partilho um pouco do que penso sobre o estado da arte no atendimento à mulher no periodo perinatal em Portugal, sobre o trabalho como doula, sobre o hipnonascimento e a hipnoterapia aplicada à transformação de partos traumáticos e perdas gestacionais. Podes ler a entrevista Aqui

Anúncios

Nascimento Consciente em parceria com a parteira Mary Zwart

O toque compassivo da parteira – à conversa com Mary Zwart

gail-palpating-2

Dia 14 de Dezembro, na segunda conversa, vamos falar sobre o consentimento informado e “De quem é o parto?”
Local: Ser Yoga, Rua do Rosário, 151, 1º Tras
Inscrições no Formulário ou para 934257464.

A parteira Mary Zwart, em parceria com a Nascimento Consciente, vai estar presente às 2as quartas-feiras do mês no Ser Yoga, para esclarecer sobre a qualidade do trabalho da parteira e a diferença entre a parteira/enfermeira-obstetra que trabalha de acordo com o modelo de parteira e a enfermeira-obstetra que trabalha de acordo com o modelo médico de assistência à gravidez e parto.

Quando eu estive grávida, há 9 anos atrás, e fui pela primeira vez tocada pela Mary foi como se finalmente o mundo para o meu interior e a comunicação com o meu bebé se abrisse. Até essa altura, em todas as consultas pré-natais, quer com o obstetra privado, quer no sistema nacional de saúde, nunca tinha sido tocada a não ser pelo intermédio de máquinas: o ecógrafo ou o doppler. E como é diferente esse toque, esse cuidado, essa atenção especial, esse saber milenar, que nos volta a dirigir a atenção ao corpo e nos desliga da mente e dos seus pensamentos de medo!

Queres saber mais diferenças?
Traz as tuas dúvidas e vem participar nesta conversa com uma parteira com mais de 50 anos de experiência e mais de 4000 partos assistidos (tanto em terra como na água).

“Em relação aos partos, verificou-se que quando o atendimento é feito por parteiras e enfermeiros existe menos recurso à episiotomia, menos necessidade de analgesias (epidural) e menos cesarianas do que quando o parto é atendido por obstetras. Indicadores que revelam mais qualidade nos nascimentos assistidos por parteiras.”
http://www.paisefilhos.pt/index.php/actualidade/noticias/6659-parteiras-tao-eficientes-como-os-obstetras

“Sheila Kitzinger, a social anthropologist of birth, differentiates the types of touch used in childbirth: comforting, therapeutic, blessing, greeting (of the newborn), physically supportive, diagnostic, manipulative, restraining and punitive. This spectrum of touch encompasses the variations of touch from compassionate to invasive. The compassionate elements of touch are the foundation of traditional midwifery care all over the world. Compassionate touch is overwhelmingly lacking in the medical model of birth, in which doctors and nurses have emphasized diagnostic, manipulative, restraining and punitive touch.”
https://www.midwiferytoday.com/articles/primaltouch.asp

196733_1005004959165_5695_n

Toque de amor

Observem a magia e a paz a acontecer neste vídeo:

O meu desejo é que todos os bebes possam ser tocados desta forma, com amor e respeito pelo ser consciente e sensível que eles são. Que possam ser assim tocados pelos profissionais de saúde que os recebem, que possam ser assim tocados durante toda a vida pela sua família.

Desejo também poder tocar desta forma as pessoas que me procuram para as terapias que ofereço.

Nota: A Sonia Rochel dá este banho em presença da mãe/pai e guia-os na aprendizagem de como dar o banho. O objetivo deste banho não é a higiene (aliás, os bebés recém-nascidos não precisam de produtos de higiene) e sim o relaxamento, facilitar a adaptação do bebé à vida extra uterina. É um banho suave, delicado, encantador!